Olhe ao seu redor. Esfregue os seus gravetos mentais e acenda um fogo. Acorde o macaquinho do sótom-mental. Eles estão lá, estão por toda a parte, e sustentam o seu mundo. É só ver. O que eles significam? Pra mim? Hum... bem... o que eles significam para você? Veja, simplesmente veja-os. Afinal, as maiores viagens também começaram com um único passo.

sábado, julho 22, 2006

Camaleão eu sou...

Hum... sei lá. Desde que descobri a minha verdadeira vocação para ser ruiva eu tenho me sentido meioe stranha. Parece que estou andando na beira de um abismo como se fosse corda-bamba e não consigo ver o fundo lá em longe... The deep breath before the dive...
Tem tanta coisa que eu quero fazer, tantas coisas a dizer para o mundo. Aos poucos tudo se resolve. O tempo passa, as velhas amizades _aquelas que são de verdade_ voltam, velhos hábitos são mudados, antigas barreiras são quebradas... Mas ao mesmo tempo tudo ainda é como antes. Até bem pouco tempo atrás nós podíamos mudar o mundo. Quem roubou nossa coragem? Tudo é dor, e toda dor vem do desejo de não sentirmos dor. And so on... É tudo um lance cíclico. A cada quatro anos, tem copa do mundo, panis et circensis, e o povo não vê as merdas que começam a boiar no mar de lama da política. Passam-se 6 meses e tem eleição pra mudar os malas de Brasília. Passa mais quatro anos e é tudo de novo, a mesma coisa, e nada novo.
Ai ai, não estou fazendo muito sentido.
Apenas três coisas na realidade fazem algum sentido verdadeiro para mim agora, analisando-se apenas o que ne levou a tentar escrever qualquer coisa que seja por aqui:
- Sometimes I just hate myself. É, eu faço coisas que me irritam mas são apenas a minha maneira de ser. O meu sol escorpiano odeia meu ascendente virginiano e a minha lua libriana. And that's all.
- Eu sou mto old-school e gosto disso! (e meu lado escorpiano lida bem com esse fato)
- Eu vou votar com nariz de palhaço!!

Bom, musiquinha pra terminar bem o post:


Chico Buarque - Tatuagem
Quero ficar no teu corpo feito tatuagem
Que é pra te dar coragem
Pra seguir viagem
Quando a noite vem
E também pra me perpetuar em tua escrava
Que você pega, esfrega, nega
Mas não lava

Quero brincar no teu corpo feito bailarina
Que logo se alucina
Salta e te ilumina
Quando a noite vem
E nos músculos exaustos do teu braço
Repousar frouxa, murcha, farta
Morta de cansaço

Quero pesar feito cruz nas tuas costas
Que te retalha em postas
Mas no fundo gostas
Quando a noite vem
Quero ser a cicatriz risonha e corrosiva
Marcada a frio, a ferro e fogo
Em carne viva

Corações de mãe
Arpões, sereias e serpentes
Que te rabiscam o corpo todo
Mas não sentes

See yall ^^v
Volte sempre e use filtro solar.