Olhe ao seu redor. Esfregue os seus gravetos mentais e acenda um fogo. Acorde o macaquinho do sótom-mental. Eles estão lá, estão por toda a parte, e sustentam o seu mundo. É só ver. O que eles significam? Pra mim? Hum... bem... o que eles significam para você? Veja, simplesmente veja-os. Afinal, as maiores viagens também começaram com um único passo.

domingo, dezembro 31, 2006

Feliz ano novo



Que o próximo amanhecer traga coisas fantásticas e novas, que o sol seja visto como um astro novo recém-chegado de uma viagem muito longa a lugares mágicos e desconhecidos, trzendo a todos relances de uma felicidade sincera e simples que nos faça respirar como num oásis em meio ao nosso cotidiano triste e sem graça. Cada amanhecer depois da chegada desse novo sol será coroado por um sol totalmente novo e revidorado, como revigorados ficaremos nós com a sua presença.... E que em cada dia deste novo futuro nós nos tornemos mais um pouco mais nós mesmos e menos o que alguém gostaria que nós fossemos....

Feliz 2oo7 pra todos nós

Eu gostaria de poder fazer tudo de novo e desta vez fazer certo para agora não precisar consolar a mim mesma....

domingo, dezembro 24, 2006

Natal

Nossa, como você cresceu! Oi lindinha, há quanto tempo! Você está tão linda! Amei o seu vestido! Beijo, beijo. Silêncio... Todos comem, todos bebem. A mesma comida, os mesmos bolos, mesmo vinho. Lá vem o mesmo homem de vermelho! Um pierrô todo vermelho no calor dos trópicos, triste como qualquer palhaço nos nossos dias cada vez mais tristes e cada vez com menos riso. Quem é o humano por trás da barba, por baixo do gorro felpudo? Não me interessa. As crianças o adorariam ainda se soubessem? Acho que não. Você?... Também mais um pouco de um não seguro de si... Papéis rasgados por todos os lados... Espólios da guerra contra a fita adesiva que substitui os laços (um natal retrô, old-school, não seria bem mais interessante?) A luxúria da posse dos presentes, crianças correndo brincando brinquedos novos que serão esquecidos antes do ano novo. As mesmas conversas superficiais de sempre e de nunca, família apenas uma vez por ano. Quem são estas pessoas mesmo? Só no próximo natal agora. Ah, como a anestesia da vida burguesa é confortável... Você não acha?

sexta-feira, dezembro 22, 2006

CPII pride forever...

"Uma das mágoas que eu tenho na vida é a de não ter sido, na minha infância ou juventude, aluno do Pedro II. Andei por colégios mais lúgubres do que a casa do Agra. Mas há, em mim, até hoje, a nostalgia de não ter estudado ou fingido que estudava lá. A rigor, não são os professores que me interessam no Pedro II. Nem os seus problemas de ensino. O que me deslumbra no aluno do Pedro II não é o estudante, mas o tipo humano. Ele deve ser um mau aluno (tomara que seja), mas que natureza cálida, que apetite vital, que ferocidade dionisíaca. Olhem para as nossas ruas. Em cada canto, há alguém conspirando contra a vida. Não o aluno do Pedro II. Há quem diga, e eu concordo, que ele é a única sanidade mental do Brasil. E, realmente, não há por lá os soturnos, os merencórios, os augustos dos anjos. Os outros brasileiros deveriam aprender a rir com os alunos do Pedro II." Nelson Rodrigues

Aiai... Bons tempos...

quarta-feira, dezembro 06, 2006

Vampiros 2

I've missed you all so much :) E agora a Rainha está de volta. Enjoy!


Ela não sabia de onde vinha aquele sentimento, mas não gostava daquilo de qualquer forma. Simplesmente não gostava dali. Seu problema era aquele lugar, sua decoração que era de um minimalismo estranho, carregado de tons de vermelho escuro e preto, sofás de couro e lustres de prata, eram aquelas pessoas e seu ar intelectual tão forçado. Pura falsidade despresível, pensava ela a cada detalhe inédito que percebia naquele salão fracamente iluminado involto pela fumaça de muitos cigarros acesos. Despresíveis. Tudo ali era despresível. Agora era meia noite, e após um breve ajuste nos equipamentos, uma banda começou a tocar. Era algo como ela não ouvia desde que voltara de London haviam vários anos, diziam ser uma fusão contemporânea de tecno, pop e rock, mas para ela sempre seria 'dream music'. Um som carregado de sintetizadores, talvez com um leve tempero vintage, mas para ela aquilo sempre soaria como o mais puro new age... Fazia-a pensar em campos, fogueiras, festivais com flautas e pessoas dançando alegres. Abriu os olhos mas estava novamente naquele salão suspeito, com aquelas mesmas pessoas só que agora pareciam ter chegado masi algumas dezenas delas, todas iguas aos seus olhos. Mas agora nada disso importava, ela só ela, a banda e a música. "Playgirl, why are you sleeping in tomorrow's world?" Não parem nunca de tocar, nunca silenciem os amplificadores. Gostava dessa sensação, fazia-a se sentir livre mais uma vez, relembrou como era voar sobre as florestas e as cidades, voar livre como a fênix que era como ela. Levantou-se, desceu do mezanino e misturou-se às pessoas que daçavam na área logo abaixo do pequeno palco com a banda. Não parem, não parem, nunca, nunca mais... Talvez só quando o sol nascer mais uma vez, o tão odioso astro que sempre estragava sua diversão. Mas isso também nao importava agora, ela só queria dançar e se misturar às tantas pessoas que dançavam. Casais, grupos, pessoas sozinhas, todos embriagados por aquele som magnífico. Tomaria a banda por um grupo de sacerdotes em meio a um rotual não fossem os uniormes militares e todos aqueles acessórios metálicos. Um visual tão falso e forçado como o de todos ali, mas ela nem ligava mais. Dançou e dançou juntosjunto com todas aquelas pessoas até que o cheiro de suor sobressaiu ao odor sempre presente do cigarro. Isso lhe deu fome, e mais uma vez voltou a ser ela mesma. Agradeceu ais uma vez por estar em meio a uma pequena multidão sob toda aquela fumaça e penumbra, ou alguém teria visto e ela seria obrigada a utilizar métodos menos sofisticados de captura, ou sedução como ela preferia chamar. E mais uma vez via na escuridão, mais uma vez era forte, mais uma vez podia fazr o que quizesse com qualquer um ali, mais uma vez erra irresistível. Não que ela em algum momento fosse feia ou que passade despercebida como simplesmente mais uma na multidão, mas quando se revelava tornava-se mais do que notável, virava uma Vênus dentre pobres mortais. Mesmo que sua natureza se parecesse mais com a Peséfone negra do sub-mundo... Ela revelou-se, e continuou a dançar como se nada estivesse acontecendo. Logo seu olhas hipnítico encontrou-se com o de um jovem que dançava sozinho como se aquela fisse sua última noite emtre os vivos, seus olhos pareciam perdidos e desesperançosos, imploravam pela misericórdia que apenas ela poderia lhe dar. Mas ele não sabia que encontrara o que procurava até ser tarde de mais. Ela lentamente aproximou-se dele, ele só percebeu-a quando ela já dançava sensualmente em torno dele, e ele se deixou envolver. Logo se beixavam enlouquecidamente na sala escura especialmente reservada para os casais mais empolgados que por ventura se formassem naquela noite. Um espaço simplesmente perfeito para ela, bendizia esta idéia a cada vez que se dirigia acompanhada a um destes santuários aos gênios da luxúria e de todos os prazeres da noire, só não podia negar que os vãos sob as escadas e as sombras atrás de muros e pilastras também tinham muitos encantos. E foi para uma destas sombras tão convidativas que ela se dirigiu com mais uma vítima que lhe dirigiu um olhar inconsolável e perdido quando ela voltou para a pisa de dança após teminar seu primeiro lanche da noite. No fim da festa as pessoas apenas pensariam ver mais uma vítima do álcool e dos muitos outros prazeres em oferta naquela noite, seriam enganadas pela expressão cansada e serena que esconderia a quase total falta de sangue no corpo. Eles conseguiriam ir para casa após algumas horas, e dias depois quando estivessem completamente reestabelecidos apenas se lembrariam de uma noitada e uma dança com uma loura sem rosto. Com o passar dos anos ela havia aprimorado suas técnicas de caça a ponto de determinar até mesmo os efeitos sofridos pelas vítimas e as lembranças que teriam da noite do ataque. Sim, eles viveriam, era a melhor forma de encobrir suas práticas e não levantar quaisquer suspeitas sobre ela. Para todos ela seria apenas mais uma de tantas outras belas mulheres que haviam naquela área da cidade, apenas mais uma... Após aqueles dois encontros ela saciou-se por enquanto e voltou sua atenção à banda, eles haviam atendido seus pedidos silenciosos e não pararam de tocar por nem um minuto sequer, agora pareciam tão embragados pelo som quanto todas as otras pessoas ali presentes. Era um de seus dons favoritos, sugerir secretamente ao subconsciente alheio suas vontades, e ninguém era capaz de resistir. E assim ela continou dançando como se nada fosse, entregou-se de braços abertos aquele êxtase musical, agora era só ela, os sintetizadores e as lembranças que aquela música resgatavam... Viu-se mais uma vez dançando com tantas outras mulheres ao redor de uma fogueira... Mas isso fora há muito tempo e agora ela ainda sentia fome, atacaria mais uma vez, e outras ainda mais, antes que aquela noite terminasse. Antes que a mísica parasse.

[o trechinho é de 'Playgirl' do Ladytron]

Peace ^^v

quarta-feira, novembro 29, 2006

Ladytron [[Destroy Everything you touch]]

Enjoy o mais puro dream-pop;)
Destroy everything you touch today
Destroy me this way
Anything that may desert you
So it cannot hurt you
You only have to look behind you
At who's underlined you
Destroy everything you touch today
Destroy me this way
Everything you touch you don't feel
Do not know what you steal
Shakes your hand
Takes your gun
Once you are on the sun
What you touch you don't feel
Do not know what you steal
Destroy everything you touch today
Please destroy me this way
Destroy everything you touch today
Destroy me this way
Anything that may delay you
Might just save you
You only have to look behind you
At who's underlined you
Destroy everything you touch today
Destroy me this way
Everything you touch you don't feel
Do not know what you steal
Shakes your hand
Takes your gun
Once you are on the sun
Once you touch you don't feel
Do not know what you steal
Destroy everything you touch today
Please destroy me this way
Everything you touch you don't feel
Do not know what you steal
Shakes your hand
Takes your gun
Once you are on the sun
Once you touch you don't feel
Do not know what you steal
Destroy everything you touch today
Please destroy me this way
Stay beautifull ^^v

segunda-feira, novembro 20, 2006

Fee Verte




Where is la Fee Verte?
Where is my personal non-alcoholic green feiry when I need her?
She must bring back my wild dreams.
They are now too far from the Strawberry Fiels in a castle whit a dragon.
Someboby call the nearest knights to help her!

image by DeviantArt.com

sexta-feira, outubro 20, 2006

The art nouveau Swan

Does it mean anything for you?
For me it does... Ah it does...

quarta-feira, setembro 20, 2006

Males incuráveis

Agora é serio.
Voltei para casa e percebi quão grave é a minha situação.
Eu vim para casa escrevendo no metrô.
Acho que preciso de ajuda profissional...
Meu mal é grave, eu agora escrevo em todos os lugares, em todas as ocasiões... E quando não estou escrevendo, estou pensando no que escrever...
Pensando melhor, que disse que isso é mau?
Hein hein hein???

quinta-feira, setembro 14, 2006

Tempo

O tempo passa, os reis mudam. O tempo passa, algumas pessoas passam, e outras pessoas mudam.
Eu era ruiva, isso foi muito legal. Eu me sentia poderisa, magnífica, unânime, eu era mais EU EU EU....
Mas o tempo passa, as pessoas mudam.... E eu agora ruiva não mais sou (Master Yoda talking).
Simples assim.
O ruivo passou... Deixou boas lembranças, gostosas experiências... E uma vontadezinha secreta de voltar a ser que vai ficar lá no fundo por muito tempo ainda. Foi uma fase que deixou saudades, muitas saudades.

Mas como eu disse antes, as pesoas mudam.
Não que eu queria ser muito enfática, muito longe disso, mas essa inconstância é sempre boa, nos empurra para a frente.
Eu avanço, em outros pontos eu retorno, mas no saldo funal há sempre a benéfica evolução. E a saudade.

Mas não, nunca reveja os filmes da sua infância, nem tente reler aqueles livros que você amou tanto, ou que te marcaram. Fique apenas com as suas lembranças do que aquilo lhe pareu, não tente rever ou reler nada. Há um risco muito grande de acabar com toda a magia.
Explica-se assim:
Quando eu era criança, eu via Alice. Sim, aquela in Wonderland. E me amarrava no filme, e nunca me perdoava por nunca haver lido o livro. Há algumas semanas, comprei-o finalmente. Oh decepção maldita, ai que troço chato.... Os puristas, os modernistas e os intelectuais que me perdoem, mas ninguém merece!!
Pelo menos eu ainda tenho esperança de que o "Através do espelho" seja melhor e retire essa imagem ruim.
Pelo menos uma coisa é muito certa: L. Carroll pode ser um escritor, mas ocmo poeta ele era mais do que um fracasso.

Sem mais mimimi,
aguardem news.

sábado, julho 22, 2006

Camaleão eu sou...

Hum... sei lá. Desde que descobri a minha verdadeira vocação para ser ruiva eu tenho me sentido meioe stranha. Parece que estou andando na beira de um abismo como se fosse corda-bamba e não consigo ver o fundo lá em longe... The deep breath before the dive...
Tem tanta coisa que eu quero fazer, tantas coisas a dizer para o mundo. Aos poucos tudo se resolve. O tempo passa, as velhas amizades _aquelas que são de verdade_ voltam, velhos hábitos são mudados, antigas barreiras são quebradas... Mas ao mesmo tempo tudo ainda é como antes. Até bem pouco tempo atrás nós podíamos mudar o mundo. Quem roubou nossa coragem? Tudo é dor, e toda dor vem do desejo de não sentirmos dor. And so on... É tudo um lance cíclico. A cada quatro anos, tem copa do mundo, panis et circensis, e o povo não vê as merdas que começam a boiar no mar de lama da política. Passam-se 6 meses e tem eleição pra mudar os malas de Brasília. Passa mais quatro anos e é tudo de novo, a mesma coisa, e nada novo.
Ai ai, não estou fazendo muito sentido.
Apenas três coisas na realidade fazem algum sentido verdadeiro para mim agora, analisando-se apenas o que ne levou a tentar escrever qualquer coisa que seja por aqui:
- Sometimes I just hate myself. É, eu faço coisas que me irritam mas são apenas a minha maneira de ser. O meu sol escorpiano odeia meu ascendente virginiano e a minha lua libriana. And that's all.
- Eu sou mto old-school e gosto disso! (e meu lado escorpiano lida bem com esse fato)
- Eu vou votar com nariz de palhaço!!

Bom, musiquinha pra terminar bem o post:


Chico Buarque - Tatuagem
Quero ficar no teu corpo feito tatuagem
Que é pra te dar coragem
Pra seguir viagem
Quando a noite vem
E também pra me perpetuar em tua escrava
Que você pega, esfrega, nega
Mas não lava

Quero brincar no teu corpo feito bailarina
Que logo se alucina
Salta e te ilumina
Quando a noite vem
E nos músculos exaustos do teu braço
Repousar frouxa, murcha, farta
Morta de cansaço

Quero pesar feito cruz nas tuas costas
Que te retalha em postas
Mas no fundo gostas
Quando a noite vem
Quero ser a cicatriz risonha e corrosiva
Marcada a frio, a ferro e fogo
Em carne viva

Corações de mãe
Arpões, sereias e serpentes
Que te rabiscam o corpo todo
Mas não sentes

See yall ^^v

sexta-feira, junho 16, 2006

-_-"

Take everything from the inside and trow it all away... Eu jogaria tudo em cima das pessoas.
Quem ordena a execução não acende a fogueira... Eu tratia fósforo e querosene.
O meu ódio é o veneno que eu tomo querendo que o outro morra... Mas eu quardaria um pouco para as pessoas que merecem, e daria na veia.

Hoje eu acordei e queria matar metade das pessoas que eu conheço.

terça-feira, junho 13, 2006

Parabéns

Hoje é o aniversário do meu lindinho ^^
»» 18 anos ««
Parabéns pra ele ^^
Ah poxa, nem tenho muito a dizer. É tudo muito clichê, até demais.
So tenho a desejar muitas felicidades, muitos anos de vida, sucesso e realizações. Muitos abraços, risadas e pequenas felicidades diárias. Muito amor no coração e perseverança nos momentos difíceis.
E que a gente esteja sempre junto porque é isso que faz o sol nascer todas as manhãs pra mim.
Sorry não conseguir escrever mais coisas....

sexta-feira, junho 09, 2006

Uma Viagem pela Estrada de Tijolos Amarelos - 7º dia

Hoje o dia começou meio nublado. Está há muito tempo ameaçando chover e acho que hoje finalmente é o dia. Levantamos o acampamento e seguimos nosso caminho.
Descendo uma colina, avistamos ao longe na Estrada um grupo de pessoas vindo em nossa direção. Chegando um pouco mais perto, percebemos que era um grupo de pessoas altas e magras vestidas iguais andando com os braços abertos para os lados. Chegando um pouco mais perto, percebemos que era um grupo de mais ou menos 50 pessoas, e todos eram covers do Marilyn Manson, e todos estavam entoando em uníssono

I'm the invisible man
I'm the invisible man
Incredible how you can see right through me

When you hear a sound that you just can't place
Feel somethin' move that you just can't trace
When something sits on the end of your bed
Don't turn around when you hear me tread

I'm the invisible man

I'm the invisible man
Incredible how you can see right through me
I'm the invisible man

I'm the invisible man
It's criminal how I can see right through you

Now I'm in your room and I'm in your bed
And I'm in your life and I'm in your head...

(Queen- The Invisible Man)

Já tinha recebido notícias dessa seita, mas nunca imaginei que fosse encontrá-los assim, andando de dia pela estrada. A Alice achou-os tão legais que entrou no meio deles, abriu os braços e começou a andar que nem eles, mas nem dez passos adiante ela foi empurrada para fora do grupo:
_ Você não é um Marilyn Manson!

Tadinha... Ou será que foi sorte? Prefiro ficar sem saber.
O resto do dia foi tranquilo. Ainda não choveu.

~Rainha de Copas

Uma Viagem pela Estrada de Tijolos Amarelos - 6º dia

O dia hoje não teve nada muito interessante na sua primeira parte, mas um pouco depois do almoço encontramos em uma clareira perto da Estrada, uma grande reunião de pessoas vestidas como roqueiros. Sim, 'vestidas como' porque é cada vez mais difícil encontrar alguém que se vista assim de verdade, então persume-se que sejam todos posers. Era uma batalha de bandas e a Dorothy insistiu tanto para assistirmos um pouco que tive que ficar. Mas não era só sair entrando, pois a presença da Rainha certamente iria atrapalhar a banda pois todos iriam ficar com aquela história de honras e homenagens. Não tava ali para essa melação toda, eu tinha entrado pelo rock, yeah! Então fiquei escondidinha no cantinho numa boa depois de dar algum para o porteiro nos deixar entrar depois do início dos shows, isso me lembrou a Rainha Elisabeth no filme Shakespeare Apaixonado, só que no caso ela estava alí para assistir Romeu e Julieta mesmo.
O festival já estava rolando a um tempo, e agora já haviam apenas tres bandas. A música já havia começado, mas deu para ouvir uma parte:

(...)City of the dead
At the end of another lost highway
Signs misleading to nowhere
city of the damned
Lost children with dirty faces today
Noone really seems to care
HEY!

I don't care if you don't
I don't care if you don't
I don't care if you don't care
I don't care


Everyone's so full of shit
Born and raised by hypocrits
Hearts recycled but never saved
From the cradle to the grave
We are the kids of war and peace
From Anaheim to the Middle East


We are the stories and disciples of
The Jesus of suburbia
Land of make believe
And it don't believe in me


Land of make believe
And I don't believe
And I don't care!
I don't care!

Dearly beloved are you listening?
I can't remember a word that you were saying
Are we demented or am I disturbed?
The space that's in between insane and insecure.


Oh therapy, can you please fill the void?
Am I retarded or am I just overjoyed?
Nobody's perfect and I stand accused
For lack of a better word, and that's my best excuse.

To live and not to breathe
Is to die in tragedy
To run, to run away
To find what you believe

And I leave behind
This hurricane of fucking lies
I lost my faith to this
This town that don't exist

So I run
I run away

The light of masochist
And I leave behind
This hurricane of fucking lies
And I walked this line
A million and one fucking times
But not this time

I don't feel any shame
I won't apologize
When there ain't nowhere you can go

Running away from pain
When you've been victimized
Tales from another broken HOME

You're leaving...
You're leaving...
You're leaving...
Ah! You're leaving home..
.

Esse foi o Green Day cantando uma de suas últimas composições: Jesus os Suburbia. Foi uma música interessantes, não há como negar. A próxima banda começou a tocas logo depois.

I don't need to be a global citizen
because I''m blessed by nationality
I'm member of a growing populace
we enforce our popularity
there are things that
seem to pull us under
and there are things
that drag us down
but there's a power
and a vital presence
thats lurking all around

we've got the american Jesus
see him on the interstate
we've got the american Jesus
he helped build the
president's estate

I feel sorry
for the earth's population
'cuz so few
live in the U.S.A.
at least the foreigners
can copy our morality
they can visit but they cannot stay
only precious few
can garner the prosperity
it makes us walk
with renewed confidence
we've got a place to go when we die
and the architect resides right here

we've got the american Jesus
overwhelming millions every day
(exercising his authority)

he's the farmers barren fields
the force the army wields
the expession in the faces
of the starving children
the power of the man
he's the fuel that drives the clan
he's the motive and conscience
of the murderer
he's the preacher on tv
the false sincerity
the form letter that's written
by the big computers
he's the nuclear bombs
and the kids with no moms
and I'm fearful that
he's inside me


Hum, The Offspring com American Jesus. Realmente essa seria uma decisão difícil. Nem bem os meninos saíram do palco, a próxima banda já estava pronta para tocar.

I hear you on the radio
You permeate my screen, its' unkind but
If I met you in a scissor fight
I'd cut off both your wings on principle alone
On principle alone

Hey megalomaniac
You're no Jesus
Yeah, you're no fucking Elvis
Wash your hands clean of yourself, Baby
Step down
Step down

If I were your appendages
I'd hold open your eyes
So you would see
That all of us are heaven sent
And there was never meant to be only one
To be only one

Hey megalomaniac
You're no Jesus
Yeah, you're no fucking Elvis
Wash your hands clean of yourself, Baby


Step down
Step down
Step down
Step down
Step down
Oh! step down

Yeah
You're no Jesus
You're no Elvis
You're no Jesus
You're no Jesus
You're no Elvis
You're no answer

Step down

Hey megalomaniac
You're no Jesus
Yeah, you're no fucking Elvis
Special, as you know yourself, maniac

Step down
Step down
Step down
Oh step down
Oh step down
Step down


A platéia deu o veredito antes mesmo dos jurados terem percebido o que aconteceu. O Incubus tocando Megalomaniac era imbatível.

Depois de darmos os parabéns para a a banda vencedora, não sem antes revelar minha presença para o espanto de todos os presentes, saimos de fininho e continuamos nossa viagem.

~Rainha de Copas

--> Você não se lembra o que aconteceu antes? Clique aqui e veja o primeiro dia.
http://castelodecopas.blogspot.com/2005/04/uma-viagem-pela-estrada-de-tijolos.html

quinta-feira, maio 18, 2006

Copa do mundo

Aiaiaiai... Esses quatro anos passaram muito rápido... De+ até...

E mais uma vez o Brasil já é declarado pelo país inteiro campeão do mundo com uns dois meses de antecedência... Ai como isso me irrita "¬¬ Hexa aqui, hexa acolá... Verde e amarelo por todos os lados... E milhões de blusas amarelas pra vender por aí. Sem contar que todas as empresas (nacionais ou não) resolvem torcer pelo Brasil e já declará-lo campeão. Como é que as multinacionais fazem? Vestem a camiza de todos os países onde têm alguma participação? Hein hein heeein?
E o que eles vão fazer se o Brasil for eliminado nas oitavas-de-final após uma campanha horrorosa e a final foi Itália × Alemanha?
O primeiro jogo já é em menos de um mes... Justamente no dia da minha prova de Cambridge... Pqp... I wanna kill somebody to make me feel better!!!

--> Onde está mesmo a minha camisa da Argentina??

segunda-feira, maio 15, 2006

Velhos companheiros

Knock, knock!, disse ele enquanto entrava faceiramente no grande salão iluminado pela luz da lareira sempre acesa nestes dias de inverno. Haviam muitos anos que ninguém tinha qualquer notícia de Lancelote, mas ele sempre fazia assim. Chegava quando menos era aguardava e agradava a todos com sua presença alegre e excelentes histórias.
Desta vez nada era diferente, e um outro visitante que vinha com ele tornou a surpresa ainda mais alegre. O Pendragon, Gwydion, vinha andando tímido mas forte e decidido atrás do velho amigo.
A surpresa foi total, mas não para todos. A Rainha secretamente aguardava a chegada deles. Afinal, a notícia do Festival Anual de Rosquinhas percorre o reino ainda mais rápido do que os mensageiros que entregam os convites aos seletos sortudos, e os dois sempre estavam na lista.
Como ela poderia deixar de fora os maiores responsáveis pelo sucesso estrondoso do evento? Gatos, talentosos, fortes e habilidosíssimos, contadores de histórias fantásticas natos, Lance e Gwy estavam em todas. Mas sempre em todas as certas. Nas horas vagas Lancelot fica em casa com a sua mulher (que ele faturou furando o olho de um veeelho amigo) e resolvendo pendengas com sua ex-mulher. E Gwydion fica vagando pelas florestas dos reinos salvando as eventuais donzelas em perigo. É isso que dá ele ter caído de amores por uma Sacerdotiza: nunca dá certo. Neste caso, infelismente a moçoila acabou morrendo.
Infelismente, neste ano os nossos heróis habituais acabaram chegando em cima da hora da abertura da comilança, então suas histórias ficarão para entre uma bocada e outra.

"Huummm... Donuts!!" Disse o Assessor Oficial para Assuntos de Rosquinhas do Reino e o Festival teve início.

+ continua +

quarta-feira, maio 03, 2006

Remember, remember, the 5th of November...

Olá, formosa dama. Linda noite, não?
Perdoe-me a intromissão, talvez a senhorita pretendesse passear... Apenas desfrutar a paisagem.
Não importa, creio que é chegado o momento de uma breve conversa.
Ahh, eu me esqueci de que não fomos apresentados. Eu nao tenho um nome, mas pode me chamar de V.
Madame Justiça... Este é V.
V... Esta é Madame Justiça.
Olá Madame Justiça.
"Boa noite, V."
Pronto, agora já nos conhecemos. Para ser sincero, outrora fui um admirador seu. até imagino o que esá pensando... "O pobre rapaz tem uma quedinha por mim... uma paixão juvenil."
Desculpe, mas não é o caso. Eu a admirava, apesar da distância. Ainda criança, passando pela rua, eu admirava sua beleza. Eu dizia a meu pai, "Quem é aquela moça?", e ele respondia, "É a Madame Justiça". Ao que eu replicava: "Como ela é linda".
Por favor, não pense que se trata apenas de atração física. Em absoluto. Eu a amava como pessoa, como ideal. Isso foi há muito tempo. Agora, confesso que há outra...
"O quê? Que vergonha, V! traindo-me com uma meretriz de lábios pintados e sorrizo vulgar!"
Eu, madame? Permita-me uma correção. Foi a sua infidelidade que me arremessou nos braços dela!
Ah! Ficou suspresa, não? Pensou que eu desconhecia suas escapadelas? Enganou-se. Eu sei de tudo. Na verdade, não me surpreendi quando soube que você flertava com homens de uniforme.
"Uniforme? E-eu não sei doque você está falando. Sempre foi você, V... O único em minha vi--"
Mentirosa! Meretriz! Ousa negar que se deixou envolver por ele, com suas braçadeiras e botas?
E então? O gato comeu sua língua? Foi o que pensei.
Muito bem. A verdade foi revelada. Você não é mais minha Justiça. É a dele. Recebeu outro em sua cama. Faça bom proveito de seu novo amante.
"Snif! Snif! Q-quem é ela? Como se chama?"
Seu nome é Anarquia. E ela me ensinou mais como amante do que você imagina. Com ela aprendi que não há sentido na Justiça sem liberdade. Ela não faz promessas e nem deixa de cumpri-las como você. Eu costumava me indagar por que jamais me olhou nos olhos. Agora eu sei.
Por isso, adeus, cara dama. Nossa separação não me entristesse, uma vez que não é mais mulher que outrora amei. Eis um último presente, que deixo a seus pés.
As chamas da liberdade. Que adorável. Quanta justeza minha preciosa Anarquia... O beldade até hoje eu te desconhecia.

- Alan Moore

terça-feira, abril 25, 2006

Discursos

_ Como tudo seria melhor se as verdades fosem realmente como acreditamos que elas são. Tantos ideais, tantas doutrinas que, de tanto baterem de frente com a sociedade se quebram em mil pedaços e se perdem ao vento. Ele disse que ima idéia nunca morre, que ele nunca morreria, mas agora é apenas mais um entre tantos que jazem como pó. Agora os anarquistas de terno vagam pelos escritórios no centro da cidade. Os comunistas não mais portam suas insígneas vermelhas. Que futuro aguarda a juventude que vê os ideais morrerem lentamente, um a um? Quando todos deveriam estar debatendo à luz da razão, estão apenas se ajustando ainda mais ao velho sistema. O que aconteceu para o velho liberalismo progressista se tornar tão conservador? Onde estão todos? Onde estão todos? A luta chama e os erros são aparentes, falta apenas a chama que causará um incêndio capaz de iluminar toda a treva onde estamos mergulhados até muito mais do que o pescoço. Queria eu poder me soltar das amarras que me prendem e unir-me aos que clamam pela glória inocentes da falta de esperança que os cerca. Queria eu...


Aviso aos navegantes: todas as personalidades delirantes estão de férias por tempo indeterminado nas florestas escuras e impenetráveis do subconsciente. Sentiremos falta delas.

domingo, abril 23, 2006

Donnie Darko

Aaaaaaahhhhh!!! Muito fodaaaa!!!

Efeito Borboleta é o cacete! A boa é Donnie Darko!

Um roteiro ainda mais criativo e que abre espaço para tantas ou mais reflexões do que Matrix... Com um elenco bááárbaro e o fodástico bunny-man ~_^

Trilha sonora fooooda!
Diálogos fooooodas!

Veja mais em http://en.wikipedia.org/wiki/Donnie_Darko (cuidado spoiler!)

Aiai.. Nada como um sábado de feriadão em casa e uma locadora aberta por perto...

Donnie: Why do you wear that stupid bunny suit?
Bunny Man: Why are you wearing that stupid man suit?

Eu mais do que recomendo.... Mas tem que rolar aquela pesquisa bolada depois.... E também uma versão com comentários (não necessariamente a directors-cut)...

Hum... Acho que vou lá assistir de novo... See ya!

sábado, abril 22, 2006

Teste muito esclarecedor XP

Vodka
?? Which Alcoholic Drink Are You ??
brought to you by
Quizilla

Hum... Como assim they made us take it down???
Então eu coloco!!

Humpf...

terça-feira, abril 04, 2006

V de Vingança

...foda...
...foda...
...foda...

ºoOoº Phantasmagoria ºoOoº


Hum... reconheço que essa notícia calsou certo alvoroço no Reino de Copas....
Sente só:

Depois das primeiras imagens, a produtora de Phantasmagoria - The Visions of Lewis Carroll atualizou seu site com o pôster e um depoimento sobre o filme por Marilyn Manson, artista que assina o roteiro, a direção, a trilha sonora e também atua no papel principal da produção de horror.
"Eu quis pegar a história para crianças que todos conhecemos e explorar as raízes terríveis que crescem atrás de cada uma das metáforas infantis", explicou Manson. "Os personagens podem ser absurdos e emaranhados em quebra-cabeças, mas é o autor o dono da história que eu achei dolorosamente próxima da minha. Lewis Carroll é muito mais complexo que a rasa percepção que o mundo tem dele, como um matemático solitário obcecado em fotografar garotinhas. Ele tinha possivelmente uma das almas mais divididas que o mundo já ignorou e vivia em seu próprio inferno particular", concluiu.


A sinopse também foi divulgada. Confira:

Na Inglaterra Vitoriana, um escritor assombrado num castelo isolado é atormentado por noites insones e visões de uma jovem chamada Alice. Ele se torna então um sintoma de sua própria invenção - agora seus pesadelos conhecem seu nome. Ele é Lewis Carroll e está aterrorizado com o que o aguarda noite após noite.
O artista viverá Lewis Carroll, o criador de Alice no País das Maravilhas, no longa que vai misturar fatos da vida do autor com o poema Phantasmagoria. A modelo Lily Cole viverá Alice e Angelina Jolie negocia para interpretar a Rainha de Copas.


As filmagens começarão no meio do ano na Europa.

Hehehe... Angelina Jolie.... Bom, é uma atriz realmente à altura da Rainha de Copas... Vocês não acham?

segunda-feira, abril 03, 2006

filosofia sobre 3 estrelas

Hum... the old days are gone.... aaaaah as férias acabaram.... que triste! snif snif snif....
mas foi bom, mto bom enquanto durou, isso foi ^^ de que outra maneira eu poderia dizer quer não aguentava mais estar de férias em pleno mes de março enquanto todos os meu adorávis coleguinhas do curso de ingês reclamavam de suas aulas e provas de matemática.... hum... eu sou uma boa fdp de vez em quando.... ¬¬
muito estranho... o 3º ano sempre me pareceu tão sei lá.. utópico!... eu sempre via aquelas pessoas grandes, adultas e desenvolvidas passando pra lá e pra cá... sempre inalcançáveis e indiferentes nas suas vidas... e eu sempre lá, resignada a minha vidinha pirralha de sempre.. mesmo quando eu estava a apenas uns mese sde alcançar este estágio avançado de existência.... hehehe e agora eu tô aqui.. sentada na frente do pc no intyervalo entre uma aula de inglês e a outra filosofanso sobre as tres estrelas que estão no meu bolso da blusa agora.. que tosqueira! mas sei lá... eu precisava fazer isso. por muitos anos o meu sentido da vida foi chegar no 3º ano e terminar o segundo grau. agora eu cheguei lá. o que eu faço? me desespero?
é toda essa vida vazia de sentido e significado, todo o seu cotidiano condicionado a atividades vazias e sem graça... todos só vivem o agora. e na hora de tomar alguma decisão que vá gerar algum resultado a longo prazo isso acontece! meeeerda!!!

hum.... tá na minha hora.. depois eu acabo isso. ou não.
fui

domingo, março 19, 2006

¬¬

(...) Estou ouvindo Ramones... Um disco deles que eu gosto muito, o Leave Home. Faixa 8... Huh? NOW I WANNA BE A GOOD BOY, I DON'T WANNA BE BAD... Wha da fuk is that?? Como assim os dinossauros do punk rock querem ser meninos bons?? (...)


~post alterado devido à volta ao plano normal de conciência...
sorry

terça-feira, março 14, 2006

One not so very special day

Uma tarde *feliz* eu acordo depois de uma noite com festa *feliz* onde estavam todos os meus amigos felizes que eu não via já há algum tempo. Depois da festa fiquei em casa comendo nutella com chocolate *feliz* deitada no sofá *feliz* falando no telefone. Sábado *feliz*. Dormir quando já está amanhecendo *feliz*. Acordei *feliz*. *espreguiçar* Weeeeeee... Eu tô de férias! Ai, cólica... *triste* Ir encontrar com o namorado depois de sair com ele e passar a noite no telefone com ele *feliz de novo*.
Oi *feliz*, abraço *feliz*, beijo-beijo-beijo-beijo *feliz*. Filminho *feliz*.

Hum... Isso tem tudo para um happy ending not so very special para um domingo qualquer... Mas não foi exatamente assim... Algo sempre acontece totalmente do nada e tudo muda, e o sorriso se apaga... E dá aquele medo, e o abraço vem, e a carência chama por um pouco mais de afeto como se ele realmente faltasse.

No fundo tocava Iris, nada de mais....

And I'd give up forever to touch you
'Cause I know that you feel me some how
You're the closest to heaven that I'll ever be
And I don't want to go home right now


And all I can taste is this moment
And all I can breathe is your life
'Cause sooner or later it's over
I just don't want to miss you tonight
And I don't want the world to see me
'Cause I don't think that they'd understand
When everything's made to be broken
I just want you to know who I am


And you can't fight the tears that ain't coming....

Nessa hora as coisas começaram a não dar muito certo... And she couldn't fight the tears thar were coming... Um abraço apertato, o roso escondido no travesseiro... Não foi nada, nada repetia ela como que tentando se convencer de que não era nada quando era tudo. E o tudo seria imaterial, seria fantástico, imaginário e ilusório como tudo sempre havia sido. Os fantasmas, os medos e os traumas, as previsões de perdas e tragédias que nunca viriam, tudo falso como sempre. Mas dessa vez não era. Só dessa vez.
Ele estava ali, não iria embora nunca, ela não o perderia por nada. Mas a música tocava ao fundo e tocava no fundo daquele coraçãozinho que brinca de ser forte. Ela lembrava do filme. Todo o sacrifício e todos os planos terminados assim por um motivo tão simples, e só foi vivido um dia. E um dia para ela era pouco. A eternidade não bastava tampouco. Ela queria mais, e mais, mais, sempre mais e nunca seria o bastante. O que foi, perguntava ele, e ela sempre dizia que não era nada, não era nada. Não conseguiria explicar, também ele não entenderia se ela tentasse. Não havia o que dizer. Uma singela tentativa de melhorar o astral dela ele fez, tentando em vão mais uma vez ver o sorrizo que ele amava tanto. Mas o efeito foi contrário. Contou-se uma breve história. Mais um conto de sacrifício em nome daquele que se ama resultando em um coração apaixonado deixado sozinho. E uma história que poderia muito bem ser real. E ela chorava, chorava, e não parava. As poucas lágrimas que rolaram secaram, mas ela ainda chorava, não com os olhos nas apenas com o coração e a alta dose de hormõnios rolando pela corrente sanguínea.
Não havia nada a temer afinal.

~aff... quanta tosqueira! nem sei porque tá tudo isso aqui.. mas vou deixar. não gostei, ok, isso acontece. mas eu to meio deprê mesmo e ponto final. isso passa, como sempre passa.

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

Carnaval

Pobre Pierrot chorando a ausência da Colombina dançando com a bailarina que não se equilibra nas pontas dos pés...
Piratas falsos sem perna de pau dançando com odaliscas que não vieram do Oriente...
O prisioneiro sem identificação flertando com a mulher das cavernas que nasceu nos dias de hoje...
O pobre vampiro que não bebe sangue buscando pelo salão a fada verde que o abandonou...
Mas sabe ele que ela prefere o super homem...
Diabinhas, mágicos, baianas, jogadores de futebol rodopiam pelo salão num turbilhão de brilhos e luzes...
Poersonagens de um sonho maginário que acaba na tarde silenciosa de uma quarta-feira
Que é lavado embora com uma chuva de álcool e confete com serpentina
Que voa longe como a felicidade das pessoas que é fake e passageira
Sonhos de festa e amores duradouros que se sabe quando acabam
E o fim sempre chega e nunca tarda
No sono solitário após a noite de prazeres, o folião sonha com o sorriso da passista que nem mesmo notou sua presença
O namorado indaga onde esteve aquela amada sua
Velhas senhoras se recordam dos carnavais que já passaram desejando a volta dos tempos de antigamente
A magia se apaga na porta do salão ao fim do baile e de mais um sonho
Ao folião resta apenas uma vaga lembrança borrada pela música e pela cerveja
Vamos nos perder nesta tempestade de esperanças com prazo de validade e ter novas histórias para contar.


(Saca-Rolha)
As águas vão rolar
Garrafa cheia eu não quero ver sobrar
Eu passo mão na saca saca saca rolha
E bebo até me afogar
Deixa as águas rolar
Se a polícia por isso me prender
Mas na última hora me soltar
Eu pego o saca saca saca rolha
Ninguém me agarra ninguém me agarra

(Turma do Funil)
Chegou a turma do funil
Todo mundo bebe
Mas ninguém dorme no ponto
Aí, aí, ninguém dorme no ponto
Nós é que bebemos e eles que ficam tontos
Eu bebo, sem compromisso,
com meu dinheiro, ninguém tem nada com isso
Aonde houver garrafa, aonde houver barril
Presente está a turma do funil

Divirtam-se

domingo, janeiro 22, 2006

Tempestades sobre muitas coisas

Tantas coisas para dizer... Tanto tempo sem me encontrar com as Musas... Tanto tempo longe das teclas que me ligam aos meus tão queridos súditos que inevitavelmente me abandonaram...
Lágrimas e pesar pelo trono perdido.... Mas que me dão forças para retomar o meu ligar por direito, dever e escolha. Tá? :-P


*~Prometo que não fico meis tanto tempo sem
postar coisas decentes por aqui! ~*

Como o tempo passa voando quando se mais quer que ele pare, como as areias do tempo passam sem que se perceba, cinco meses já foram. Pois é, estou comemorando não um, nem dois ou três ou quatro, mas cinco meses junto com o meu lindinho! Um tempo tão perfeito, tão feliz, tão bonitinho e feliz que não tenho nem o que dizer sobre...

Só que não há nada que consiga nos separar ou abalar o que há entre a gente. Só que o nosso amor é mais forte do que a inveja que possa nos cercar e cresce mais e mais a cada dia que passa. Só que o fato de ele estar comigo me dá forças e me ajuda a enfrentar o que vêm em minha direção. Só uma pessoa assim poderia ficar comigo enquanto eu choro e secar as minhas lágrimas. Só ele consegue fazer o que ninguém nunca tinha conseguido. Só ele...

Aliás, por falar nisso... Aconteceu finalmente uma coisa meio chata outro dia. Não podemos mais dizer que nunca tinha acontecido nada chato na nossa relação. Não, a gente não brigou. Foi só um velho fantasma do meu passado meio recente que resolveu cair na real e ver o que perdeu. Agora tá correndo atrás do prejuízo. Mas eu só lamento. Perdeu, playboy. Hehehe. Ao invés de ele conseguir qualquer coisa, só conseguiu estragar uma tarde, ser sacaneado e ganhar mais algumas pessoas indiferentes a ele, já que nem inimigos ele merece ter... Tadinho.
Aiai.. Tirando esse pequeno incidente que nada mais conseguiu, sem grandes emoções. Praticamente já passei de ano, mas isso não exclui o fato de que eu estou tendo aulas no meio do verão quando eu deveria estar dormindo e indo pra praia... Muito triste e revoltante, eu sei. Mas é o preço que a gente paga.
E agora, lentamente eu vou voltando à velha forma. Doses cavalares de Ramones e SOAD fazem isso com as pessoas.
Aguardem :c)

domingo, janeiro 01, 2006

curto e grosso: 2oo6

ultimamente tenho andado meio sem inspiração para postar.... pos isso o blog tem andado às moscas... pena...

este post foi inicialmente escrito para o meu flog agora já falecido, então me desculpem pelo linguajar vulgar.

feliz 2oo6 pra todo mundo :c)

sem falar tdas aquelas coisas q todo mundo fala sempre, so queria desejar que no ano novo cada um faça valer a pena, que os caminhos traçados levem aos lugares certos e que os pontos de vista sejam mantidos. o que quer q isso tdo signifique ^^hehehe.... quem sabe essas palavras nao pareceram sabios conselhos para alguém? :P

2oo5 foi um ano mto bom tbm. muitas novidades, muitos novos horizintes traçados. me tornei uma pessoa bem diferente, quem sabe ateh ainda melhor. mas nem tudo foram flores... um namoro distante no inicio do ano e uma recaída nublada logo depois me colocaram em stand by por algum tempo... mas nem tdo q eh ruim nao tem um ponto d vista legal, e tdo q se colocoi em meu caminho valeu mto. mas nada do q eu passei foi sozinha... contei sempre com os meus amigos comigo: tag, juh, camilinha... rafilds (desd quase sempre neh)... mais pro final do ano, teve tbm o luiz, meu amor, q me da ainda mais motivos para viver a vida bem e cada vez mais ^^ e varias novas pessoas que desde ja moram no meu coraçaum... e, para fechar um ano muito foda, nada melhor do q um reveillon mto foda em copacabana com o meu lindinho do lado :)

quem viver verah o que o ano novo nos aguarda ^^

see ya
Volte sempre e use filtro solar.