Olhe ao seu redor. Esfregue os seus gravetos mentais e acenda um fogo. Acorde o macaquinho do sótom-mental. Eles estão lá, estão por toda a parte, e sustentam o seu mundo. É só ver. O que eles significam? Pra mim? Hum... bem... o que eles significam para você? Veja, simplesmente veja-os. Afinal, as maiores viagens também começaram com um único passo.

terça-feira, dezembro 30, 2008

Tears in Heaven

Ela nem via o corredor por onde andava rapidamente. Chegou ao assento que lhe indicaram e se jogou pesadamente, nem se preocupando com a bagagem que deveria ser guardada no compartimento logo acima.

As lágrimas não permitiam que fizesse muita coisa. Agradeceu aos céus por ter lembrado na última hora de colocar um lenço no bolso, mesmo ele estando fadado a tornar-se encharcado e inútil em breves minutos.


_ Are you ok, little girl?


No meio segundo entre uma lágrima e a seguinte ela olhou para o lado e viu que não estava sozinha. Corou, "the blush of your cheeks is lovely", uma frase de um livro de que ela sempre se lembrava nesses momentos. Era um homem bem mais velho, britânico pelo sotaque e pelas roupas, quase um personagem saído de algum livro ou filme, o perfeito estereotipo. Pelo terno de tweed ele poderia ser um membro da Talamasca, ou o Professor Jones Sr, ou Sherlock Holmes, ou Lawrence Stratford, ou todos eles.


_ Yes. I'm actually very.. very happy, sir.


Ela soluçava. E naquela hora, nada nesse mundo a fariam lembrar de sob, palavra comum que ela conhecia bem.


_ Happy? But you look so sad...


_ I'm not sad. I'm very happy because I'm leaving.
Volte sempre e use filtro solar.