Olhe ao seu redor. Esfregue os seus gravetos mentais e acenda um fogo. Acorde o macaquinho do sótom-mental. Eles estão lá, estão por toda a parte, e sustentam o seu mundo. É só ver. O que eles significam? Pra mim? Hum... bem... o que eles significam para você? Veja, simplesmente veja-os. Afinal, as maiores viagens também começaram com um único passo.

quarta-feira, setembro 20, 2006

Males incuráveis

Agora é serio.
Voltei para casa e percebi quão grave é a minha situação.
Eu vim para casa escrevendo no metrô.
Acho que preciso de ajuda profissional...
Meu mal é grave, eu agora escrevo em todos os lugares, em todas as ocasiões... E quando não estou escrevendo, estou pensando no que escrever...
Pensando melhor, que disse que isso é mau?
Hein hein hein???

quinta-feira, setembro 14, 2006

Tempo

O tempo passa, os reis mudam. O tempo passa, algumas pessoas passam, e outras pessoas mudam.
Eu era ruiva, isso foi muito legal. Eu me sentia poderisa, magnífica, unânime, eu era mais EU EU EU....
Mas o tempo passa, as pessoas mudam.... E eu agora ruiva não mais sou (Master Yoda talking).
Simples assim.
O ruivo passou... Deixou boas lembranças, gostosas experiências... E uma vontadezinha secreta de voltar a ser que vai ficar lá no fundo por muito tempo ainda. Foi uma fase que deixou saudades, muitas saudades.

Mas como eu disse antes, as pesoas mudam.
Não que eu queria ser muito enfática, muito longe disso, mas essa inconstância é sempre boa, nos empurra para a frente.
Eu avanço, em outros pontos eu retorno, mas no saldo funal há sempre a benéfica evolução. E a saudade.

Mas não, nunca reveja os filmes da sua infância, nem tente reler aqueles livros que você amou tanto, ou que te marcaram. Fique apenas com as suas lembranças do que aquilo lhe pareu, não tente rever ou reler nada. Há um risco muito grande de acabar com toda a magia.
Explica-se assim:
Quando eu era criança, eu via Alice. Sim, aquela in Wonderland. E me amarrava no filme, e nunca me perdoava por nunca haver lido o livro. Há algumas semanas, comprei-o finalmente. Oh decepção maldita, ai que troço chato.... Os puristas, os modernistas e os intelectuais que me perdoem, mas ninguém merece!!
Pelo menos eu ainda tenho esperança de que o "Através do espelho" seja melhor e retire essa imagem ruim.
Pelo menos uma coisa é muito certa: L. Carroll pode ser um escritor, mas ocmo poeta ele era mais do que um fracasso.

Sem mais mimimi,
aguardem news.
Volte sempre e use filtro solar.