Olhe ao seu redor. Esfregue os seus gravetos mentais e acenda um fogo. Acorde o macaquinho do sótom-mental. Eles estão lá, estão por toda a parte, e sustentam o seu mundo. É só ver. O que eles significam? Pra mim? Hum... bem... o que eles significam para você? Veja, simplesmente veja-os. Afinal, as maiores viagens também começaram com um único passo.

quarta-feira, julho 27, 2005

Reflexões de madrugada

Sabe aqueles dias em que todo que você quer é rir descontroladamente até sua barriga doer e ficar como rosto todo vermelho? Pois é, hoje foi um dia assim.
Ok, na verdade eu estava mais a fim de tomar um porre fenomenal a ponto de não conseguir me levantar, mas como eu não posso beber, fico com as risadas mesmo.
Eu só queria esquecer. Nos breves segundos embalados pelo som do riso esquecer toda a realidade. Psrtir para uma dimensão paralela de olhos fechados com os ouvidos embalados pela doce melodia.São 5h da manhã, tá todo mundo dormindo. Até o poodle carente das minhas primas tá dormindo. As minhas amigas estão dormindo, e os namorados delas também. E os meus amigos e suas namoradas. Meus amigos e amigas solteiros também não são diferentes. Só eu não dormi ainda. E não quero ir.
Eu estava vendo tv. No meio da madrugada a maioria das estações está fora do ar, mas aquelas que ainda estão lá não passam comerciais. Não tem ninguém acordado para assistí-los. Eu tava vendo um filme. Uma dessas comédias românticas docinhas em que todos vivem felizes para sempre e não há vilões, bruxas ou madrastas malvadas. Tudo que pode dar errado foi por sua culpa. mas sempre dá tempo de voltar atrás, consertar tudo, pedir desculpas e ser absolvido, bem a tempo dos créditod finais. E das aquele beijo tão aguardado desde o início da seção, com todo mundo atrás aplaudindo e dizendo "Ei, que bom que tudo deu certo. Seja felis, estamos torcendo por você". E eles estão sendo sinceros e não tem nenhuma ex no seu encalço, ele não tem outra e não vai ficar se referindo a você aos amigos dele como "uma fase que já passou".
Como seria com acreditar em finais felizes e em que sempre dá tempo de voltar atrás e recuperar o príncipe encantado.
Mas isso não acontece na realidade. Príncipes encantados não existem.

Ai ai, eu nunca mais vi o sol nascer, e hoje de novo eu vou perder a minha parte favorita do dia...

segunda-feira, julho 25, 2005

Sonhos que nos puxam para a realidade

Nessa noite eu tive um sonho que passou o dia todo martelando na minha cabeça. Bom, não foi exatamente ao sonho todo, foi uma frase que alguém me dizia nele: "Por que você faz perguntas quando já sabe a resposta?"
Pois é, é a pura verdade. Eu passo muito tempo na minha mente, fazendo suposições, deduzinho e colocando rótulos em tudo à minha volta. E faço perguntas. Perguntas que eu já encontrei a resposta em meio a esses meus pensamentos, mas que mesmo assim eu preciso que alguém me diga, que me prove que eu estava realmente certa. Outras vezes, eu tenho que perguntar não para que alguém me confirme que eu tinha acertado e aumente ainda mais o meu ego, mas sim para que eu me convença da realidade. Como se fosse um conselho, alguém me fazendo voltar pra vida quando eu me recuso a viver. Quando eu me recuso a aceitar os fatos.
Teimosa e cabeça dura, sim eu sou. Mas o meu subconsciente é mais. Tanto que ele me deu esse toque.
Mas não foi só isso, essa frase. Foi também a forma como essa frase chegou até mim, quem me disse e quando disse. Tudo faz sentido, eu sei disso. Só não consegui encontrar exatamente a mensagem escondida por trás disso tudo... O que eu deveria fazer, ou pelo menos o que meu subconsciente acha que eu deveria fazer. Ou sei lá o que é que faz as pessonhas sonharem. Mensagens dos deuses, de entidades espirituais, lembranças de vidas passadas, vivências da alma fora do corpo, imagens perdidas entre as sinapses que estão se organizando, premonições, whatever. Não importa o que o sonho seja de fato, mas sim o que ele quiz dizer. Eu gostaria de sonhar mais, ou melhor, de me lembrar dos meus sonhos com mais freqüência.
Voltando ao sonho que eu tive... Hum, bem... Nada de mais... Só acho que eu deveria parar de perguntar as coisas quando eu já sei a resposta...

[Jill de Copas]

domingo, julho 24, 2005

Ao fantasma que vive no alto da torre mais escura

Tu és um fantasma negro,
uma alma penada a me assombrar.
Roubando as noites, os sonhos,
tolos amores e a doce ilusão.
Peço que alguém te exorcize,
ou a minha vida tire também:
Separar-nos por toda a eternidade,
ou unir-nos para sempre, enfim.

~Dorothy
(é, fui eu mesma que fiz... cuidado com a concorrência desleal!)

quarta-feira, julho 20, 2005

Homenagem do Dia do Amigo

tentei várias vezes escrever uma homenagem aos meus amigos muy amados, mas mais uma vez não consegui gostar do que surgiu. Então a grande Juliana disse tudo:

"Tenho amigos de todos os tipos...tenho amigos que se acham malucos e na verdade são as pessoas mais tranquilas do mundo...e ao mesmo tempo tranquilos que são loucos sem saber. Tenho amigos stressados, tenho amigos engraçados...tenho amigos difíceis. Tenho amigos que escuto por horas seguidas...tenho amigos com quem falo por horas seguidas. Amigos com quem dou gargalhas até a barriga doer. Amigos que entendem apenas um sorriso...ou até um olhar.Tenho amigos complicados, e tenho amigos que me acham complicada. Tenho amigos de longe, tenho amigos de perto.Tenho amigos palhaços....amigos atores...amigos cantores...amigos surpresa.. Tenho grandes amigos. Só grandes. Nenhum deles se adequa a palavra "pequeno"..amizade é algo GRANDE demais pra caber numa palavrinha que significa pouco.Tenho amigos pentelhos...sou pentelha à alguns deles...Tenho amigos com quem brigo e com que discordo, mas amigos que acima de tudo tenho respeito.
*** E é com orgulho que pertinho desse dia do amigo eu posso dizer que tenho grandes amigos que espero levar pra uma vida inteira, e que amo muito, e tenho a sorte de ser amada de volta!!"
Esse testo está no blog dela, o http://www.flogao.com.br/xujuba. Tudo que ela disse aí tá mais do que certo, e eu assino embaixo.
Meus amigos sabem que podem contar comigo pra tudo e em qualquer hora. É só dar um gritinho ou até mesmo ligar no meio da madrugada (já passei o tel novo pra geral). Quem fortalece sabe que mora no meu coração, meus amigos são meus irmãos, as amizades juntas formam uma grande família que resiste até às piores tempestades e desastres.
Amigos de ontem e hoje, os verdadeiros sabem que nunca serão esquecidos. Também não vou citar nomes, não precisa.

quarta-feira, julho 13, 2005

Hey, eu sou uma criança feliz! :)

Hehe, e calma que eu explico!
(Uma pausa para uma tempestade de idéias sobre a vida real e as minhas férias)

Antes de ontem eu estava em casa de noite, prontinha para começar a minha primeira seção de dvd de madrugada quando subitamente pensei num cara (não vou contar a históóória toda de novo, não precisa), "o que ele estará fazendo agora? Nhá, quem se importa? Deixa ele lá!". Uhu, amei presenciar esse diálogo mental. O filme do dia teve que seu um daqueles 'menininha': O Diário da Princesa. É, pois é, eu tenho esse dvd aqui em casa. E sempre que eu vejo o filme fico com vontade de ler o livro de novo também. E foi isso que eu fiz, assim que o filme acabou. Mas só que dessa vez eu fui do fim do primeiro volume direto para a parte em que o Michael se declara pra Mia, no final do terceiro volume. Eu tinha que presenciar algum felizes para sempre, mesmo que totalmente na ficção, e mesmo sabendo que a história deles não acabava ali.
E eu voltei a fazer as pazes com o açúcar, ou melhor, com a falta dele. Andei vacilando ultimamente...
Enquanto eu tava lendo o Diário, peguei uma caixa de bombom Garoto que estava em cima da geladeira e levei pro quarto. Pijama, edredom de nivenzinha (os ursinhos amarelos sumiram já tem um tempo), livro fofo e chocolate. Tudo isso nas férias. O que mais eu podia querer? E no final de um dia 100% feliz que eu passei na totalmente excelente companhia de mim mesma. Eu me amo! E eu adoooro ficar comigo! (Hehe, o bom de se amar, é que você sempre é correspondido e nunca tem rivais!)
Mais umas coisinhas para aumentar o meu lado criança feliz: encontrei a calça risca-de-giz onde eu achei que tinha (eles só não tem do meu tamanho, mas isso é uma questão de tempo), finalmente troquei o cadaço do meu All Star laranja (agora é uma fira de cetim coral) , do meu All Star de cano alto (fita de cetim azul claro) e desenhei no All Star rosa-bebê (ok, agora ele ficou totalmente super fofo, ainda mais do que antes, talvez eu devesse ter posto uns palavrões e umas caveirinhas, mas nada que eu fizer vai fazer o tênis deixar de ser rosa-bebê, é a natureza dele), encontrei a minha mochila da Cantão azul de bolinhas brancas que estava perdida no meu armário desde que foi cruelmente trocada por uma da Jamf (a marca dos inimigos) no ano passado, e descobri que a Philippe Martin está com 50% de desconto na liquidação. Uhuuuuuu mesmo!
Junto com isso tudo, uma das coisas que também contribuiu para chamar de volta o meu espírito selvagem foi a tal caixa de bombons que eu peguei em cima da geladeira. Primeiro eu comi um Mundi Musse, que me fez lembrar de que eu tinha uma verdadeira compulsão por musse de chocolate quando era pequena, e depois um Alô Doçura seguido por um Opereta. Esses dois eram os meus favoritos, até que foram inexplicavelmente trocados por uma montanha de Serenata de Amor. Eles continuam como mesmo gosto, tudo igualzinho. E naquela época eu era feliz sem me importar com o que as pessoas diziam ou achavam, e eu sabia que era lindinha apesar de tudo.
Hehe, mas agora o grande lance é chocolate meio-amargo. E nada de açúcar. Por que as pessoas deveriam ter o direito de achar isso estranho? Os dois bombons ali em cima continuam iguais, apesar das alterações na embalagem, então eu não deveria ter continuado a mesma por dentro, apesar das alterações na apresentação? Digo, o tempo passa, mas você sempre continua sendo você mesmo.
Só falta amanhã ter comida china pro almoço e brigadeiro de tarde. Vou estar no paraíso.
Ah, e para acabar bem a noite de hoje: agora vou tirar o capítulo de créditos do O Senhor dos Anéis- A sociedade do Anel do 'repeat' (a Enya cantando May it be ficou bem legal e a trilha sonora toda é perfeita, mas depois de uma meia hora repetindo, a voz dela dá nos mervos de qualquer um) e partir direto pra parte em que o Aragorn e a Arwen de beijam no jardim de Rivendell (ainda vou descobrir porque quando fizeram a tradução colocaram um nome tão tosco num dos lugares mais maneiros da saga) na véspera de ele partir para a longa jornada de treze meses rumo a perigos mortais e glórias inesquecíveis que todo mundo conhece (é a cena em que ela dá o colar pra ele, todo mundo viu!). Aaaaah, eu amo essa trilogia!!! É tudo perfeito de mais! Hehe, mas eu não dispenso a pré-estréia de Sin City daqui a umas semanas pra ficar debatendo o filme não... É bom variar de vez em quando!
Mais depois. Fui...

domingo, julho 10, 2005

Uma Viagem pela Estrada de Tijolos Amarelos - 5º dia

O dia hoje amanheceu nublado, talvez caia uma chuvinha. Todos estão felizes e contentes com a nossa viagem, mas acho que a Dorothy vai demorar um pouco pra superar o lance do Jonny... Ela gostava mesmo dele, apesar de ninguém ainda ter descoberto por que ela sumiu.
Estávamos com uma velocidade interessante, quando ao virarmos uma esquina demos de cara com um grupo de punks dançando numa planície. Eu tenho medo de punks, eles são muito doidos, até mesmo para alguém como eu. Mas eles são súditos, moram no Reino e pagam os impostos em dia, então eu tento conviver.
Ainda mais estranho do que um grupo de punks na rua durante o dia, foi o que eles estavam fazendo. Estavam numa roda, todos de mãozinhas dadas, dançando pra lá e pra cá em volta de uma fogueira. É, punks em volta de uma foqueira. Numa roda de mãozinhas dadas.
Se algo puder ser ainda mais estranho do que isso, certamente a múcida que eles estavam cantando será:

I Wanna Be Sedated (Ramones)

Twenty-twenty-twenty-four hours to go
I wanna be sedated
Nothing to do, nowhere to go, oh
I wanna be sedated
Just get me to the airport, put me on a plane
Hurry hurry hurry, before I go insane
I can't control my fingers, I can't control my brain
Oh no oh oh oh oh

Just put me in a wheelchair, get me on a plane
Hurry hurry hurry, before I go insane
I can't control my fingers, I can't control my brain
Oh no oh oh oh oh

Just put me in a wheelchair, get me to the show
Hurry hurry hurry, before I go loco
I can't control my fingers, I can't control my toes
Oh no oh oh oh oh

Just put me in a wheelchair, get me to the show
Hurry hurry hurry, before I go loco
I can't control my fingers, I can't control my toes
Oh no oh oh oh oh

Ba-ba-baba, baba-ba-baba, I wanna be sedated
É, pois é. Punks em volta da fogueira cantando I wanna be sedated praticamente em ritmo de bossa nova. Um luau e um violão cairiam muito melhor na cena. Muito estranho, algo tinha que estar errado. E estava.
Perto dali, sob umas árvores, estava um grupo de pessoinhas muito estranhas que me lembravam alguma coisa. Logo consegui sacar quem eram: os mesmos duendes verdes que tinham levado o Lennon. A Dorothy, assim que os viu também, saiu correndo atrás deles que nem uma louca, mas eles conseguiram sumir antes que ela chegasse, não sem deixar para trás uma nuvam de fumaça colorida, cheiro de incenso e umas borboletas esvoaçantes. Ainda vou ter problemas com esses caras.
Assim que a Dorothy conseguiu se alcalmar um pouco, e os punks continuavam na sua rodinha (só faltava começarem a cantar "All you need is love/Tchu tchu ru ru ru/All you need is looooove/ Tchu tchu ru ru ru/ Love is all you need", mas tudo bem por enquanto), ela começou a me explicar quem eram esses punks. Ela os conhecera há um tempinho atrás, logo após abandonar os pais e o namorado (hum, tô achando que foi pra ficar com eles que ela partiu... vou tentar confirmar), e eles acreditavam que os integrantes dos Ramones eram aliens que iriam levá-los até o seu planeta distante, onde os deuses da guitarra andam entre o povo e os dinossauros do rock estão mais do que vivos. Tááááááá né... E depois eu achava que já tinha visto de tudo nessa vida. Que os integrantes de Led Zepplin e o Elvis não eram desse planeta nunca foi muito difícil de acretitar... Mas os caras do Ramones? Francamente! Ok, tudo é possível... E se tratando daqueles duendes verdes, eu acredito em qualquer coisa.
Achamos melhor não nos envolver nessa doideira e contiuamos a nossa viagem.
Ah, e a chuvinha não caiu.
~Rainha de Copas

quinta-feira, julho 07, 2005

Mais anjos: a Aurora e o Crepúsculo

Weeeeee! Finalmente eu entrei de férias! Tut-tut-tut-tut (dancinha tosca pra comemorar)...
E as provas? Po, mandei bem né... Não pude negar as minhas origens como nerd e cabeçuda (9,5 em química!!).

Hehe, uma breve pausa para um comentário da Jill, mas já você não está aqui para ler sobre isso, lá vai.


Aurora era um anjo do dia. Todas as manhãs descia dos salões do paraíso e ia até a morada do sol acordá-lo para que mais uma vez percorresse sua jornada através da terra. Fizera isso por toda a eternidade e era feliz com a perspectiva de fazê-lo para todo o sempre.
Quando o sol saía para o mundo, alegre por ter sido despertado por tão amável criatura, que trazia consigo a luz da face dos deuses, a Aurora o acompanhava. Não para observar a terra, mas sim para deleitar-se com o calor do seu dourado amigo. E ficavam juntos por todo o dia, até que se aproximavam mais uma vez da morada do sol e este ia descansar. Enquanto não chegasse mais uma vez a hora de acordar o grande astro, Aurora subia mais uma vez ao Paraíso e passava as longas horas da noite aos pés dos deuses, juntamente com todos os outros anjos do dia.
Mas uma coisa ela não sabia. Ao se despedir do sol, outro anjo vinha fazer companhia ao astro. Um anjo da noite, e seu nome era Crepúsculo. Ele fazia com que o sol terminasse sua jornada e se recolhesse para recobrar forças. Ficavam juntos por toda a noite, mas o sol não gostava dele, pois privava-o da agradável companhia da Aurora e dos seus amados passeios pela terra. Mas assim sempre foi e sempre seria, então o sol se conformava e aceitava seu destino. Quando o sol já havia recobrado suas forças e se aproximava da hora de sair mais uma vez de sua morada, o Crepúsculo subia mais uma vez aos céus e deixava-o à espera da Aurora.
Enquanto os alegres e brilhantes anjos do dia cumpriam seus deveres na terra, os ainda brilhantes mas não tão alegres anjos da noite recobrarvam as forças e se reuniam junto aos deuses. Depois, quando os anjos da noite saiam para cumprir suas tarefas, era a vez dos anjos do dia se reunirem aos pés dos deuses. Assim sempre foi e assim sempre seria.
Todos os anjos do dia conheciam seus opostos noturnos, e vice-versa. Todos, menos dois. O Crepúsculo e a Aurora nunca haviam se encontrado. Nem na morada do sol nem nos amplos salões do paraíso. Nunca. E passariam toda a eternidade assim se os anjos das nuvens não tivessem tido a idéia de apresentar esses anjos solitários um ao outro.
No dia combinado, grossas nuvens de tempostade se aglomeraram na entrada da casa do sol, impedindo que o Crepúsculo percebesse o fim da noite e a aproximação ha hora da chegada da Aurora. Quando esta desceu para visitar seu grande amigo dourado, não conseguiu encontrar a entrada da morada e na tentativa acabou batendo a cabeça e desmaiando.
O sol ficou alarmado com a demora da sua tão estimada amiga e resolveu pedir ajuda às nuvens próximas para mostrarem-lhe o caminho, já que Aurora não estava lá e ele não podia deixar de passar pela terra naquele dia. Apesar de sempre ter feito o mesmo caminho, o sol nunca decorara o trajeto, já que era a Aurora que lhe indicava a direção a ser tomada. E assim o sol partiu escoltado por uma grossa camada de nuvens cinzentas, enquanto algumas nuvens ficaram na porta da casa sob o pretexto de avisarem à Aurora, quando esta chegasse, que o sol não pudera esperar-lhe naquele dia e sentia muito. As nuvens, por sua vez, convenceram o Crepúsculo a ficar mais um tempo na morada do sol, e explicar melhor toda a situação para o anjo do dia quando esta chegasse, se é que chegaria mesmo.
Mas o Crepúsculo acabou cansando de ficar ali e resolveu voltar para os salões do paraíso. Só que, assim que ele saiu da morada do sol, as nuvens se afastaram e ele acabou avistando, ali caída junto à entrada, um belo anjo dourado, tão dourado quanto ele próprio, mas que pelo brilho e pela aura de alegria que emanava só poderia seu um dos anjos do dia.
Ele não poderia deixá-la ali fora, correndo o risco de se molhar na chuva forte que certamente cairia. E assim ele tomou o belo anjo nos braços e a trouxe para dentro, para deitá-la na grande e macia cama do sol. Como ela era quente! E ele, tão gelado. Com o choque das temperaturas, quase que ele a soltou, mas sentiu que não seria capaz de se separar dela. Por serem tão iguelmente belos e dourados, pensou o Crepúsculo, ela só poderia ser o seu oposto. E então ele se deu conta de que finalmente o havia encontrado, o anjo que correspondia às suas funções e que ele sempre havia desejado encontrar.
O tempo passava, os longos minutos se sobrepunham, e nada da bela Aurora despertar. O Crepúsculo foi ficando cada vez mais preocupado. Não poderia perder o seu par, agora que haviam finalmente se encontrado. Mas ela não acordava, e num sono agitado gemia e parecia febril. O mundo não poderia perder um anjo com uma função tão importante, e ele não poderia conviver com a culpa de ter deixado que ela morresse. Numa atitude desesperada, ergueu-a da cama e a abraçou. Abraçou forte, como nunca antes havia abraçado ninguém. Mas receava não poder ajudá-la, sendo assim tão frio e ela tão quente. Continuou junto a ela por mais algum tempo, minutos que pareceram horas, até que sentiu quel o anjo havia despertado: agora, não era mais ele que abraçava a figura dourada e inerte, eram ambos os anjos que estavam se abraçando.
Ele quis se soltar, não poderia mais continuar junto a um anjo tão quente, ela acabaria se esfriando também. Mas, ao perceber a tentativa do anjo de soltá-la, Aurora disse que não, não deviam se separar por mais que ele insistisse. Ela continuava abraçando-o, dizendo que ele estava muito gelado e precisava se aquecer um pouco, que ela tinha calor suficiente para os dois, e ele não parava de tentar se soltar. Mas se ele era forte, ela também era, e o Crepúsculo acabou cededo. Continuaram juntos por mais tempo, longos minutos que pareceram eras, até que o Crepúsculo não mais era um anjo gelado, e a Aurora deixou de ser um anjo tão quente. Ambos tinham a mesma temperatura, agora muito agradável: nem quente, nem fria.
Quando finalmente se deram conta de que tinham finalmente a mesma temperatura, se soltavam do abraço e se olharam pela primeira vez. Sim, eram realmente o último par de anjos opostos que faltava ser reunido.
O dia já estava quase chegando ao fim quando Aurora se deu conta de que havia deixado o sol seguir sozinho, mas o Crepúsculo tranqüilizou-a, dizendo que nesse dia as nuvens de chuva haviam se encarregado de acompanhar o sol. E ela ficou feliz em poder passar o resto do diz ali com o Crepúsculo. Sentia que nunca mais poderia se separar dele.
E assim o sol retornou para sua morada, feliz por ter finalmente aprendico o cainho, que afinal mostrou-se ser muito simples, e mais feliz ainda por sua amiga dourada estar a salvo e bem. Não ficou muito satisfeito com a notícia de que sua tão querida Aurota nunca mais separaria do Crepúsculo, mas não pensou duas vezes antes de aceitar que, apartir de agora, eles viessem juntos duas vezes por dia, tanto na hora em que o sol sai para sua jornada sobre a terra, quanto na hora em que o sol retorna ao seu lar.
Os deuses também aprovaram a decisão deles, mesmo sabendo que assim todos os anjos do dia iriam se misturar aos da noite, e todos os pares de opostos também ficariam juntos, como afinal tinha que ser.
E a partir dessa data, a hora do nascer e do pô do sol passou a ser a hora mais morna do dia, nem tão quente como sob o brilho do sol e nem tão fria quanto sob a luz da lua. E ninguém ousou discutir a mais nova máxima criada, sob o título de 'moral da hisória': os opostos se atraem.

~Eirianel

quarta-feira, julho 06, 2005

Desenho lindo e feliz de uma amiga que eu gosto muito e sinto mta saudade



Peguei esse desenho no flog dela. Tem link ali do lado, ou você pode acessar clicando diretamente aqui.

~Jill de Copas

Volte sempre e use filtro solar.